Ir para o conteúdo

Essa conta é o terror dos síndicos e moradores, mas com algumas mudanças, é possível diminuir o valor do seu condomínio e deixar de ser motivo de preocupação. 

Reduzir os custos é essencial em qualquer situação, principalmente em épocas de crise, com os números de desemprego crescendo e o custo dos produtos também. Diminuir o valor do condomínio é uma preocupação de moradores e de quem administra.  

Para conseguir chegar num valor que dê para manter os custos e ainda alcançar uma satisfação boa dos moradores é necessária uma gestão financeira muito controlada, principalmente em relação aos custos com folha de pagamento que representa cerca de 50% dos gastos de um condomínio.  

Diminuir os custos do condomínio não é um bicho de sete cabeças, com algumas mudanças e colaboração de todos é possível reduzir bastante. Mas antes de mostrarmos como reduzir estes custos, vamos elencar quais as principais despesas para que você já comece a sua gestão financeira.  

  • Folha de pagamentos  
  • Água, luz e gás 
  • Manutenção de elevadores e bombas 
  • Seguro  
  • Despesas administrativas
  • Fundo de reserva, custos bancários e pequenos reparos 

A soma destes valores é dividida entre os condôminos e resultam na taxa condominial. Além destes gastos fixos, outro valor que pesa também é a inadimplência, que pode resultar em um grande prejuízo se não for combatida logo no início.  

Veja algumas dicas que podem ajudar a diminuir os custos.  

1. Custos com colaboradores  

Esta é com certeza a maior despesa de um condomínio, por isso o síndico tem que ficar atento se este valor ultrapassar 50% das despesas deve-se urgente fazer um remanejamento para chegar à média de 40% a 50%. 

Entre as alterações que podem ser feitas é a diminuição da carga horária de alguns colaboradores ou até mesmo verificar a possibilidade de terceirização dos serviços. Outro ponto de atenção são as horas extras, estas devem ser evitadas, cuide para que as atividades sejam realizadas no horário de trabalho estabelecido. Se hora extra é algo que ocorre com muita frequência, vale analisar se não é necessário contratar outro colaborador ou algum folguista, assim eles não acumulam funções e conseguem finalizar as atividades sem necessitar exceder o horário.  

Se preocupe em reter talentos, os custos de contração e demissão são muito altos, isso sem falar no treinamento de um novo colaborador, por tantofaça o possível para manter os colaboradores o maior tempo possível.  

Avalie anualmente o quadro de colaboradores, as funções exercidas e as horas gastas, assim você consegue ter uma visão ampla das reais necessidades do condomínio e organização das escalas, conseguindo desta forma, diminuir o valor do seu condomínio. 

2. Redução de água e luz 

A economia destes custos é um trabalho em conjunto com os moradores, por isso, para conseguir diminuir o valor do seu condomínio,  um primeiro passo é conversar com os condôminos e realizar campanhas de conscientização para a economia, diminuição no tempo de banho e apagar as luzes dos cômodos que não estão sendo utilizados.  

No condomínio, instale redutores de vazão e sempre acompanhe a conta de água, caso ocorra alguma alteração você consegue identificar a possível existência de algum vazamento. O condomínio pode instalar também algum sistema para reaproveitar água da chuva e assim utilizar na limpeza das áreas externas. Avalie a necessidade de lavar diariamente essas áreas, às vezes, realizar um cronograma de limpeza em cada área dividido nos dias da semana. Também não deve ser permitido utilizar água do condomínio para lavagem de carro.  

Troque as lâmpadas comuns por de LED que são 80% mais econômicas, invista também em sensores de presença, que no começo podem até ser um valor alto, mas a médio e longo prazo irão fazer uma grande diferença. Programe os elevadores para funcionarem de maneira inteligente.  

Nas áreas com pouca circulação à noite intercale um poste ligado, outro desligado e desligue os aparelhos que não estão sendo utilizados. Conscientize também os colaboradores para que eles tenham atitudes responsivas, como apagar luzes acesas sem necessidade.  

O condomínio pode ver a possibilidade de instalação de placas solares, também é um investimento alto inicial, mas se pagará e trará benefícios a longo prazo.  

3. Manutenções preventivas 

Já dizia o ditado, prevenir é melhor que remediar. E para os condomínios essas manutenções preventivas são essenciais para diminuir os custos. Entre as manutenções estão: a verificação de para-raios, bomba de água, elevadores, vazamentos, rede elétrica, impermeabilização, portão eletrônico e extintores. Manter essas partes do condomínio sempre com a manutenção em dia pode diminuir muito os gastos com reparos de urgência. Fazendo um calendário de manutenções você tem tempo de solicitar orçamentos e escolher com calma a melhor proposta e fornecedor.  Prever os gastos com manutenção evita gastos inesperados e de urgência que são altos e não te ajudam a diminuir os custos do seu condomínio. 

4. Orçamento anual  

O planejamento financeiro é elaborado ao final do ano e prevê todas as despesas do próximo ano, esta previsão permite que o condomínio esteja preparado inclusive com despesas inesperadas.  

Para realizar este planejamento o síndico pode contar com a ajuda da administradora e o setor financeiro, assim juntos podem pensar as melhores soluções para os gastos do próximo ano. Faça com antecedência para que seja bem feito e não tenha falhas ou imprecisões.  

Separe todas as despesas e divida em grupos, assim você sabe exatamente o valor de cada parte e quanto irá restar para o fundo emergencial. Fique atento a economia do país e acrescente os reajustes no pagamento dos colaboradores.  

Faça esse planejamento de forma mais realista possível, para que os valores não sejam tão altos a ponto de ocorrer muitas inadimplências.  

5. Controle inadimplências  

O condomínio deve sempre se preocupar com os inadimplentes, que é um dos principais problemas e motivos de aumento nos custos. O síndico deve manter uma gestão para evitar que os inadimplentes se tornem crônicos, ou sejaquando o condômino deixa de pagar por cinco meses ou mais. O primeiro passo é procurar o inadimplente e tentar um acordo amigável sempre seguindo o regulamento do condomínio, se isso não resolver, é recomendado entrar com um processo judicial de cobrança.  

6. Novas tecnologias  

 As tecnologias podem ser um grande aliado na economia de um condomínio, antes de implementar avalie os custos de instalação e se realmente irá trazer benefícios. Num primeiro momento podem ter um alto valor, mas faça as contas se a médio ou longo prazo este valor não será recuperado e trará economias. Entre as tecnologias que os síndicos devem se atentar estão as portarias remotas e automatização dos acessos por biometria ou senha.  

Attento Administração Condominial há mais de cinco anos oferece todo o suporte para gestão de condomínios, simplificando e trazendo soluções inteligentes para as atividades em edifícios e condomínios residenciais. Entendemos a particularidade de cada condomínio e buscamos auxiliar de acordo com cada realidade. Prestamos serviços de administração, financeiro, contábil e cobrança, trazendo mais tranquilidade para os síndicos. Peça um orçamento e veja todos os benefícios que podemos trazer para o seu condomínio.  

 

Role para cima